13°C 23°C
Lebon Régis, SC
Publicidade

Mesmo sob ameaça de corte em salários, professores da rede estadual mantêm greve em SC

Reunião entre secretários de Estado e SINTE-SC ocorreu nesta terça-feira (30) e não teve acordo; greve dos professores chega a uma semana

30/04/2024 às 21h02 Atualizada em 01/05/2024 às 16h22
Por: Marcos Imprensa Fonte: ND MAIS
Compartilhe:
Professores se reuniram nesta terça-feira (30) em frente ao Centro Administrativo de SC, em Florianópolis – Foto: Paulo Metling/NDTV
Professores se reuniram nesta terça-feira (30) em frente ao Centro Administrativo de SC, em Florianópolis – Foto: Paulo Metling/NDTV

Após reunião entre o SINTE-SC (Sindicato dos Trabalhadores em Educação em Santa Catarina) e secretários de Estado na tarde desta terça-feira (30), os professores da rede estadual de ensino decidiram manter a greve que já chega a uma semana.

De acordo com o secretário da Administração Vânio Boing, o Estado apresentou diversas propostas à classe, incluindo a ” recomposição do auxílio alimentação”, mas para que ocorra uma nova negociação os profissionais devem retornar às atividades.

“Para que a gente possa voltar a qualquer diálogo com relação a proposta que o SINTE está fazendo, necessariamente, eles têm que voltar às atividades na quinta-feira [2] de manhã”, afirmou o titular da pasta.

 

O sindicato informou que 44% dos professores aderiram à greve, já o Estado afirma que apenas 15% dos servidores integram o movimento grevista. No ato desta terça-feira, segundo a PMSC (Polícia Militar de Santa Catarina) pelo menos 1.500 manifestantes participaram da mobilização.

 

Ainda segundo Boing, a medida reivindicada pelos professores é considerada “impraticável”.

“O impacto financeiro da implementação da demanda da categoria gira em torno de 4,6 bilhões e isso seria impraticável de acordo com a Lei de responsabilidade fiscal”, defende o secretário.

 

Professores mantêm greve

Para o sindicato que representa a categoria, discutir uma nova proposta apenas após o fim da greve “não resolve”.

 

“O governo, mais uma vez, perdeu a oportunidade de apresentar uma proposta de reajuste e de valorização dos trabalhadores do estado, é isso que os trabalhadores estão esperando. O governo mantém a postura e alega que só com o fim da greve vai apresentar proposta. Isso não resolve”, pontua o coordenador do SINTE-SC, Evandro Accadrolli.

 

“A greve continua até o governo apresentar uma proposta concreta de reajuste e valorização”.

 

Pessoas reunidas em meio a arvores. Foto mostra manifestantes de greve dos professores em SC.

No domingo (28) o Governo determinou algumas medidas contra os grevistas, entre elas o desconto das faltas injustificadas dos professores que aderiram à paralisação.

Também foi definida a contratação de professores temporários para a manutenção das aulas.

 

O Executivo diz que Santa Catarina paga a maior média salarial da região Sul aos profissionais da educação, superior em cerca de 15% ao Paraná e aproximadamente 50% a mais do que o Rio Grande do Sul.

Greve na educação em SC: veja pontos cobrados pela categoria

Valorização da carreira, com a aplicação do reajuste do piso salarial em todos os níveis e a descompactação da tabela salarial;

Revogação integral do confisco de 14% das aposentadorias;

Garantia de hora atividade para todos os professores dos anos iniciais e segundos professores, com a luta pela sua extensão a todos os profissionais da educação.

 

 

Lebon Régis, SC
14°
Parcialmente nublado

Mín. 13° Máx. 23°

14° Sensação
1.61km/h Vento
88% Umidade
0% (0mm) Chance de chuva
07h11 Nascer do sol
05h38 Pôr do sol
Ter 14° 10°
Qua 13°
Qui 15°
Sex 15°
Sáb ° °
Atualizado às 23h03
Publicidade
Anúncio
Publicidade
Anúncio
Economia
Dólar
R$ 5,43 +0,00%
Euro
R$ 5,81 0,00%
Peso Argentino
R$ 0,01 +0,13%
Bitcoin
R$ 361,937,86 -1,58%
Ibovespa
121,341,13 pts 0.74%
Publicidade
Anúncio
Publicidade
Anúncio
Publicidade
Anúncio
Publicidade
Anúncio