28/05/2021 às 10h47min - Atualizada em 28/05/2021 às 11h40min

Ato das centrais sindicais, em Brasília, pede manutenção do auxílio de 600 reais para a população

Dirigentes fizeram manifestação, na esplanada dos ministérios, cobrando ações do governo que reduzam os números da miséria no Brasil. Entidades entregaram documento para presidentes da Câmara e do Senado, com propostas para a retomada da economia.

DINO

O Brasil tem 19 milhões de pessoas passando fome em meio à pandemia. Em mais da metade dos domicílios brasileiros, famílias têm algum nível de insegurança alimentar. Por esse motivo, centrais sindicais e movimentos sociais organizaram um ato nacional em Brasília (DF), realizado nesta quarta-feira (26). Intitulado "#600ContraFome", o evento reivindicou a manutenção do Auxílio Emergencial, no valor de 600 reais, além de mais celeridade e compromisso com um plano de vacinação ágil e amplo para os brasileiros.

Moacyr Auersvald, vice-presidente da CONTRATUH e Secretário Geral da Nova Central Sindical (NCST), afirma que o controle do orçamento não pode estar acima da vida da população. "Nos organizamos, respeitando o distanciamento e impedindo riscos de contágio da COVID-19, mas fomos pras ruas mesmo assim, pois não podemos ficar parados, enquanto representantes da sociedade. O povo passando fome, sem emprego, sem renda, e o governo preocupado com o ajuste fiscal. A vida da população tem que ser prioridade", indagou o dirigente, que participou do ato.

Além da luta para reduzir os números da miséria, os manifestantes pediram a adoção de um novo modelo de desenvolvimento econômico com capacidade de retomar o crescimento com geração de empregos, contemplado em uma Agenda Legislativa comum entre as maiores representações sindicais do país. O documento, organizado pelo Fórum das Centrais Sindicais, foi concluído e entregue aos presidentes da Câmara dos Deputados, Arthur Lira (Progressistas-AL), e do Senado Federal, Rodrigo Pacheco (DEM-MG), com apoio da assessoria técnica do Departamento Intersindical de Assessoria Parlamentar (Diap) e do Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese).

"Esse é um ato histórico, diferentemente dos outros atos promovidos pelo governo, sem controle algum de infecção pelo coronavírus. Nos preocupamos com distanciamento, com o uso de máscaras, com a higiene das mãos, mas protestando e exigindo nossos direitos. O povo brasileiro hoje se encontra em pobreza e necessita do auxílio emergencial. Vivemos um momento duro da realidade da classe trabalhadora brasileira. Tivemos um aumento de 71% de desligamento do trabalho por morte. E, se considerarmos a informalidade, esse número é ainda mais assustador", alertou José Reginaldo Inácio, presidente da Nova Central.

Ação social
O ato nacional também contou com a doação de mais de 600 cestas básicas, transportadas em quatro caminhões até a frente do Congresso Nacional, as quais foram expostas simbolicamente no gramado, em forma de mosaico. As cestas, montadas por cooperativas de agricultores familiares do Movimento dos Trabalhadores Sem Terra (MST) e da Confederação Nacional dos Trabalhadores na Agricultura (CONTAG) foram doadas a 600 catadores de material reciclável da CENTCOOP, cooperativa na periferia do Distrito Federal formada por uma categoria de trabalhadores gravemente atingida pela falta de emprego e redução do auxílio emergencial.

"É essencial a participação das entidades sociais nas ações que envolvem a qualidade de vida da população. Representamos mais de quatro milhões de trabalhadores e trabalhadoras do Turismo e da Hospitalidade, áreas que mais foram atingidas pelo isolamento social, e vemos de perto as dificuldades que a sociedade está passando. Não há como nos mantermos inertes diante dessa situação de calamidade. Precisamos de mais empenho do governo para amenizarmos essa situação", afirmou Wilson Pereira, presidente da CONTRATUH.


Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »
Informações indisponíveis

0