29/07/2022 às 09h22min - Atualizada em 01/08/2022 às 00h01min

O ego e outras drogas

Marco Antonio Spinelli*

SALA DA NOTÍCIA Vervi Assessoria

Acho muito pouco elegante usar a si mesmo como referência ou um autor citar uma frase de sua própria autoria para exemplificar algo. Mas vou abrir uma exceção, me perdoem os amáveis leitores e leitoras. Lá vai a frase de Marco Spinelli, proferida em sessões ou supervisões: “O Ego é uma coisa que se leva metade da vida para a ter um bom, e a outra metade para tentar se livrar dele”. Fortalecer o Ego é uma tarefa importante em situações que a Psique está desmoronando ou em risco. É bom ter um Ego estável em tempos de Crise. Tirar o Ego do papel de ator principal de nossa vida mental é uma tarefa longa e importante em qualquer Psicoterapia. Isso leva tempo.
 

Estou com um paper aqui no meu colo da Neuropsycopharmacology de 2020 falando sobre os estudos com drogas alucinógenas e seus efeitos egolíticos. O que isso quer dizer? Significa que o Ego sai do controle dos processos psíquicos, e isso expande a Consciência. Isso é uma defesa do uso de drogas pelos pacientes? Claro que não. Depois de décadas de atraso e preconceitos, a Neurociência retomou os estudos sobre as drogas alucinógenas, como os Cogumelos da Psilocybes e o LSD. Uso controlado, doses padronizadas, não drogas de balada, feita em laboratórios de quintal. Nesses estudos, os voluntários relatam a diminuição da Consciência Auto Referente que define nossa vida consciente, uma diminuição dos limites Eu/Mundo e um sentimento de fusão e proximidade com tudo e com todos. É como se essas substâncias dessem férias para nossos bons e velhos Egos, com suas obsessões por controle. Isso permite uma sensação de Coração Aberto, tão frequentemente descritas por yogues e meditadores experientes. Desalojar o Ego do centro de nossa Psique permite que a Consciência se expanda, com proximidade e amor pelas pessoas e criaturas sencientes. Parece um ótimo negócio, mas muito restrito a um pequeno círculo de praticantes.
 

Como já falei em outro artigo, vivemos na época de maior avanço tecnológico de nossa história. Tínhamos tudo para ser a geração mais feliz de todos os tempos, mas o que acontece é justamente o contrário. O uso de Antidepressivos, Ansiolíticos e Estabilizadores de Humor vão batendo recordes ano após ano. As taxas de Suicídio também crescem de maneira impressionante desde 2009, ano em que as relações digitais e as Redes Sociais começam a tomar o planeta de assalto. As Redes Sociais são planejadas para funcionar como uma droga. Cada foto, cada meme, cada cena de violência ativa as áreas de prazer e de dor. A Pornografia também é projetada como droga. As pessoas vão precisando de sua dose, uma depois da outra. Como no caso de substâncias como a Cocaína e Heroína, tudo o que não se relacionar com os efeitos da droga vai se tornando chato, angustiante, um tédio. Queremos a dose de Dopamina da foto da comida, do número de cliques e likes, dos elogios ou ataques dos comentários. Tudo isso alimenta nossos Egos sedentos de poder, de atenção, de capacidade de influência. O Ego, que deveria ser um sábio capaz de regular as nossas emoções e abrir nosso coração, fica reduzido ao Ego de uma criança que quer atenção o tempo todo, quer atrair todos os olhares e fica envenenado pela inveja e ciúme das outras pessoas, ela parecem ter as melhores vidas, os melhores corpos, os melhores carros. Isso vai gerando uma cultura de pessoas dependentes dessa Dopamina. Quando o shot de neurotransmissores acaba, como qualquer droga, o que se sucede é a dor, a angústia e a Depressão.
 

Os Centros de Meditação e os cursos de Mindfulness estão se multiplicando. No meio da barbárie de insultos e ódio, está se insinuando uma cultura de aceitação, inclusão e apoio mútuo. Consumo consciente, alimentação consciente, acolhimento do fraco, do esquisito, do frágil, dentro e fora de nós mesmos. Isso em paralelo com a cultura de exclusão, de lacração e de cancelamento de quem pensa diferente do hater de plantão. Progressista ou Conservador.
 

 Estamos numa época estranha, de grande polarização, que vamos ter que escolher entre a consciência e a estupidez. E vamos ter que botar a boca no trombone para enfrentar a estupidez, até porque os algoritmos privilegiam as publicações que geram comoção. O ódio gera mais comoção que o amor. O Ego existe para nos proteger. Mas como eu falei em outro texto, proteção desprotege. Temos que desligar o blá blá blá do medo e alimentar outras coisas dentro de nós. O contrário do Amor não é o Ódio. O contrário do Amor é o Medo.

 

*Marco Antonio Spinelli é médico, com mestrado em psiquiatria pela Universidade São Paulo, psicoterapeuta de orientação younguiano e autor do livro “Stress o coelho de Alice tem sempre muita pressa”

 


Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »
Fale pelo Whatsapp
Atendimento
Precisa de ajuda? fale conosco pelo Whatsapp