24/06/2021 às 12h32min - Atualizada em 25/06/2021 às 00h00min

Senolíticos reduzem os sintomas de COVID-19 em estudos pré-clínicos

Pesquisadores da Mayo Clinic atuam nos estudos

SALA DA NOTÍCIA Carlos Silva
Carlos Silva
Los Muertos Crew
Os pesquisadores da Mayo Clinic e colegas da Universidade de Minnesota mostraram que o COVID-19 intensifica o impacto prejudicial das células senescentes no corpo. Em estudos pré-clínicos, os medicamentos senolíticos descobertos na Mayo reduziram significativamente a inflamação, a gravidade da doença e a mortalidade da infecção por COVID em camundongos mais velhos. Essas conclusões foram publicadas na revista Science.
 
As células senescentes (células danificadas ou não funcionais que persistem no corpo) contribuem para muitos aspectos do envelhecimento e de doenças, incluindo inflamação e diversas doenças crônicas. Com base na “Hipótese do Amplificador/Reostato” de células senescentes desenvolvida na Mayo, os pesquisadores procuraram descobrir como o COVID-19 causa mortalidade muito maior em idosos e doentes crônicos. Eles mostraram que as células senescentes humanas têm uma resposta amplificada à proteína de pico SARS, provocando o aumento da produção de fatores que causam inflamação e danos aos tecidos pelas células senescentes.
 
Os pesquisadores também descobriram que camundongos mais velhos infectados com vírus, incluindo um coronavírus relacionado ao SARS-CoV-2 usando um modelo desenvolvido na Universidade de Minnesota, mostraram uma reação amplificada, com aumento de células senescentes, inflamação e mortalidade de quase 100%. Quando os pesquisadores trataram camundongos semelhantes (antes ou depois da infecção) com senolíticos, medicamentos que removem seletivamente as células senescentes do corpo, o resultado foi o oposto. Os anticorpos antivirais aumentaram, enquanto os sinais de inflamação e células senescentes diminuíram significativamente junto com a mortalidade, de modo que a sobrevivência dos camundongos mais velhos infectados se tornou mais parecida com a dos camundongos mais jovens.
 
Os pesquisadores sugerem que a redução da carga existente de células senescentes em pacientes mais velhos ou com doenças crônicas pode aumentar sua resiliência e diminuir o risco de morte por infecções virais, incluindo o SARS-CoV-2. Três ensaios clínicos semelhantes estão em andamento.
 
“Embora o uso da vacina esteja aumentando, os senolíticos ainda podem ser úteis para aqueles que não podem receber a vacina e, especialmente, para pessoas mais velhas em lares de idosos com comorbidades ou problemas de imunidade”, diz James Kirkland, M.D., Ph.D., diretor do Centro Kogod de Envelhecimento e junto com Tamar Tchkonia, Ph.D., autor sênior da Mayo Clinic no estudo. O estudo sugere que os senolíticos também podem melhorar a resposta dos idosos às vacinas e ajudá-los a combater infecções bacterianas e virais.
 
Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »
Informações indisponíveis

0