Tv

Policial baleado em assalto a banco de Criciúma deixa UTI após um mês internado

Por Marcos Antonio em 04/01/2021 às 11:24:42
Jeferson Luiz Esmeraldino, de 32 anos, foi levado para o quarto no sábado. O estado de saúde do policial ainda é grave, informou a Polícia Militar. Soldado da PM Jeferson Luiz Esmeraldino ficou ferido durante assalto em Criciúma

Redes sociais/Reprodução

O policial militar ferido durante o assalto ao Banco do Brasil em Criciúma, no Sul catarinense, deixou a Unidade de Tratamento Intensivo (UTI) após um mês internado. A informação foi confirmada pela Polícia Militar na manhã desta segunda-feira (4).

Segundo o coronel Evandro Fraga, responsável pela 6º Região da PM, Jeferson Luiz Esmeraldino, de 32 anos, foi levado para o quarto na última quarta-feira (30), por volta das 17h30. O estado de saúde do policial ainda grave e não há previsão de alta.

O soldado foi atingido na região do abdômen durante uma troca de tiros com criminosos durante o assalto, na madrugada de terça (1º). Ele foi atingido por tiros quando a viatura policial se deslocava para atender à ocorrência na madrugada. No caminho, encontrou um dos veículos dos criminosos e houve troca de tiros, próximo a um shopping da cidade.

Esmeraldino permanece hospitalizado, com respiração periodicamente controlada com o uso de um aparelho de ventilação. Ainda há picos de febre e crises convulsivas.

Natural de Tubarão, também no Sul do estado, o soldado atua desde 2016 no 9º Batalhão de Polícia Militar de Criciúma.

CRONOLOGIA: Ação durou 1h45 e teve de reféns a dinheiro espalhado pelo chão

FOTOS: Imagens mostram rastro de violência do ataque a banco em Criciúma

VÍDEO CRICIÚMA: imagens mostram criminosos fazendo reféns durante assalto

Assalto

Um grupo fortemente armado provocou uma onda de assaltos a bancos em Criciúma, em Santa Catarina, no início desta terça-feira, 1º de dezembro

Guilherme Hahn/Ishoot/Estadão Conteúdo

Há um mês, criminosos provocaram uma noite de terror em Criciúma, no Sul de Santa Catarina, durante o assalto a uma agência bancária no Centro da cidade. Eles queimaram um caminhão, atiraram para o alto com armas pesadas e fizeram reféns.

As investigações para encontrar todos os responsáveis pelo assalto continuam. Polícia Civil e Instituto Geral de Perícias não dão detalhes porque tudo está em sigilo.

Até sexta-feira (4), pelo menos 14 suspeitos de envolvimento haviam sido presos. Contudo, não foram divulgadas identidades ou as circunstâncias das prisões com o objetivo de não atrapalhar a investigação.

O que se sabe do assalto:

Cerca de 30 pessoas encapuzadas assaltaram uma agência do Banco do Brasil no Centro de Criciúma às 23h50 de 30 de novembro. A ação durou 1 hora e 45 minutos.

Pessoas foram feitas reféns e cercadas por criminosos; houve bloqueios e barreiras para conter a chegada da polícia.

Um PM ficou ferido. O PM precisou passar por três cirurgias e segue internado.

Criminosos fugiram, e parte do dinheiro ficou espalhada pelas ruas.

Quatro moradores foram detidos após recolherem R$ 810 mil que ficaram jogados no chão devido à explosão durante o assalto.

Criminosos também deixaram 30 quilos de explosivos para trás. Polícia não sabe o total utilizado.

10 carros usados no assalto foram apreendidos em um milharal de uma propriedade privada em Nova Veneza, a noroeste de Criciúma.

A PM acredita, baseada em manchas de sangue encontradas nesses veículos, que pelo menos dois criminosos tenham se ferido.

Em nota, o Banco do Brasil disse que funcionários não foram feridos e que não informa "valores subtraídos durante ataque às suas dependências".

As autoridades de Santa Catarina afirmam que este foi o maior assalto da história do estado.

Veja mais notícias do estado no G1 SC

Fonte: G1 SC

Comunicar erro

Comentários