26/07/2021 às 16h13min - Atualizada em 29/07/2021 às 00h00min

Ciência e a espiritualidade com Halu Gamashi

“Esta é a minha forma de amar a minha estrada, de amar a Deus sobre todas as coisas, de amar o próximo como a mim mesma.”

SALA DA NOTÍCIA Alisson Schafascheck
Halu Gamashi é baiana de nascimento e uma cidadã do mundo por excelência, atualmente dividindo seu tempo entre o Brasil e Portugal. Terapeuta e paranormal há mais de 30 anos e criadora de técnicas corporais e sutis, às quais de dedica há 25 anos, ministra aulas, congressos e workshops sobre anatomia do corpo sutil, chakras, campo áurico, astrosofia, filosofia, saúde e comportamento humano em diversas cidades brasileiras e europeias.
Acreditando que o contrário da doença não é a Cura, mas a saúde, criou e desenvolveu a Fluidoterapia para estimular esta Cura Existencial presente em todos nós e ampliar o contato entre os corpos físico, emocional e espiritual, tornando-os mais perceptíveis aos avisos que esta conexão oferece. “É muito importante para a saúde termos consciência corporal, conhecer o nosso próprio corpo, aprender o diálogo que existe entre todos os nossos órgãos e a nossa mente”, diz Halu, que completa: “Dediquei-me integralmente as terapias corporais e aprendi sobre a relação, a conexão com o corpo emocional e o campo eletromagnético”.
Hoje Halu sabe que a dedicação à vida espiritual é um compromisso assumido antes de sua atual encarnação. “Fiz esta descoberta aos 29 anos de idade, porém, desde que nasci, os médicos, quando me viam adoecer, não conseguiam chegar a diagnóstico. “Doenças atípicas” foi o que a minha família começou a ouvir”. A falta de esperança e o medo de  vê-la morrer foi a porta que abriu para que procurassem a espiritualidade para restabelecer suas doenças físicas  e isto virou um hábito: Halu adoecia, os médicos não encontravam diagnóstico e a família buscava uma casa espiritual, para reestabelecer sua saúde física, às vezes escondido, por temerem ser excluídos da sociedade em que viviam.
Aos 18 anos descobriu que não precisava adoecer: estas doenças eram febre reumática atípica, paralisação dos rins, pequenos infartos. Percebeu precisava conhecer e afinar suas energias. “Alinhar-me”, resume. Foi quando resolveu ir viver em uma chácara-escola voltada ao conhecimento e a medicina, a influência das energias da natureza sobre nós humanos, não aos mitos e mitificações. “Como era uma casa de uma antiga cultura Iorubá, eles chamavam o mar de Iemanjá, as águas doces de Oxum, a terra e o fogo de Ogum, o fogo feminino de Iansã, o fogo masculino de Xangô”, conta Halu.
Antes de completar 28 anos, saiu desta casa, após aprender tudo que poderia ser ensinado, de acordo com seus mestres, que afirmaram que estava pronta para outras iniciações, canalizada com a espiritualidade, que ensinaria ainda muitas outras coisas.  Foi então que descobriu, aos 29 anos, o porquê de toda sua vida estar sempre perto das energias da natureza e da espiritualidade.
O fenômeno, em mim, sempre o compreendi como uma mutação, o crescimento de um órgão sutil que abriria os meus canais para aprendizados mais importantes. Foi este o valor que dei aos fenômenos: eles precisavam acontecer para gerar mutações no meu corpo material que me viabilizassem o acesso à informação, e hoje tenho certeza que se tivesse escolhido parar nos fenômenos, utilizá-los como forma de convencimento para outros – o que chamam de exposição mórbida – eu não teria cumprido a minha missão de alcançar uma comunicação, que, volto a repetir, sinto-me na obrigação, dever e direito de dividir com quantos queiram ler ou ouvir”, explica.
Como resultado das suas vivências no Mundo Espiritual desenvolveu 70 técnicas terapêuticas que visam a harmonia e o equilíbrio no corpo físico, corpo emocional e corpo espiritual através do alinhamento dos chakras – em sânscrito, roda, os portais de entrada e saída de energias, com muitas funções, podendo ser definidos como radares energéticos que sintonizam a relação entre o corpo físico, o perispírito e a alma, sincronizando o produto desta união com o Universo. Iniciada nas culturas ancestrais, relata em livros a ampliação da consciência cósmica e as aberturas espontâneas de seus chakras. “Rodando ou girando, esses pontos captam as energias sutis do universo, distribuindo-as pelo corpo”, afirma.
Halu Gamashi publicou mais de 10 livros, entre eles: Caminhos de um aprendiz; Plano inverso; Chakras, a história real de uma iniciada; Chakras, the true history of a medium; Clandestina, o resgate de um destino; Conde Vlado, um alquimista em busca da eternidade; A Hermenêutica de Deus e o Código Original; Meditando com a Consciência Suprema; O Livro dos Sonhos Cabalísticos.
Esta é a minha forma de amar a minha estrada, de amar a Deus sobre todas as coisas, de amar o próximo como a mim mesma.”

O que é a Fluidoterapia:
O nosso corpo é a soma de matéria e energia. Tramas energéticas, ou enredos energéticos, constroem e compõem o nosso corpo e adoecemos quando este circuito falha.
As energias deterioram, perdem a força e ficam sem vigor quando estão em um circuito no qual não há afinidade. Como exemplo. a imagem de uma trança mal feita, com nós folgados que se desmancham facilmente.
Este “desmanche” no circuito humano provoca as doenças emocionais, mentais, orgânicas, espirituais e, por que não dizer, as doenças do caráter.
A Fluidoterapia é um conjunto de técnicas terapêuticas que visa a harmonização do circuito energético humano promovendo bem-estar, saúde, alegria e discernimento. Este conjunto de incentivos produz um efeito sadio e salutar no equilíbrio emocional, físico, mental e espiritual.
Popularmente podemos chamar a Fluidoterapia de Ciência que revigora os fios eletromagnéticos que constroem o nosso corpo. Esta terapêutica tem recursos fundamentados na Fitoterapia, na Filosofia, nas Técnicas Corporais, na Alquimia e no Autoconhecimento.
 
Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »
Informações indisponíveis

0