Tv

Estudante de Brasília consegue bolsa de estudos integral na Universidade de Harvard, nos EUA

Por Marcos Antonio em 20/01/2021 às 19:24:33
Eduardo Vasconcelos Goyanna Filho, de 18 anos, terá estudos totalmente custeados. Ele dá dicas para quem quer fazer graduação no exterior. O estudante Eduardo Vasconcelos Goyanna Filho

Arquivo pessoal

O jovem morador do Distrito Federal Eduardo Vasconcelos Goyanna Filho, de 18 anos, é um dos três brasileiros selecionados para estudar, ainda em 2021, na Universidade de Harvard, nos Estados Unidos, uma das melhores universidades do mundo. Além da aprova√ß√£o na institui√ß√£o, ele conseguiu uma bolsa integral que vai custear o estudo fora do Brasil.

Eduardo embarca nessa jornada junto com um estudante de S√£o Paulo e outro de Pernambuco. Segundo ele, "para passar nas universidades do exterior que oferecem bolsa, o estudante n√£o pode se contentar apenas com a educa√ß√£o dentro de sala de aula, é preciso buscar fora".

Depois de passar em 7 vestibulares, aluno da USP far√° interc√Ęmbio em Harvard

Aluno que trabalhava como lixeiro entra em Harvard

Educa√ß√£o como único caminho

Filho de uma agente da Polícia Civil, Eduardo cresceu ouvindo que "o caminho a ser seguido era o da educa√ß√£o e que a criminalidade trazia apenas sofrimento". Com essa frase na cabe√ßa, o jovem conseguiu ingressar no Colégio Militar de Brasília, aos 10 anos de idade.

J√° o sonho de estudar fora do Brasil surgiu quando ele cursava o 9¬™ ano do ensino fundamental. Eduardo percebeu que gostava de temas voltados a política.

"Fui olhar os departamentos de ciência política das universidades brasileiras e percebi que eles estavam sofrendo perdas de recursos e n√£o eram valorizados. No entanto, quando eu olhava l√° para fora, era o contr√°rio, eles estavam recebendo recursos", afirma.

O estudante Eduardo Vasconcelos Goyanna Filho

Arquivo pessoal

Para alcan√ßar uma vaga no exterior, Eduardo estudou e se dedicou, ao longo de quatro anos, a projetos sociais. Ele conta que, no processo seletivo das universidades americanas, n√£o bastam só as notas em sala de aula ou no vestibular. "Eles querem saber qual sua história de vida e como se engajou na comunidade", pontua.

Em um dos projetos que atuou, o brasiliense ensinava democracia, civismo e inglês para crian√ßas que vivem no Parano√°, Itapo√£ e Varj√£o. J√° no colégio militar, ele participou de uma espécie de refor√ßo escolar, onde os próprios estudantes ajudavam os colegas com deficiência.

Outra atividade que entrou no currículo foi a participa√ß√£o como parlamentar no projeto Parlamento Jovem Brasileiro, uma iniciativa da C√Ęmara dos Deputados. Durante a atua√ß√£o, ele fez um projeto de lei focado em socioeduca√ß√£o.

Primeira visita à Harvard

Eduardo Vasconcelos Goyanna Filho participa de simulação da ONU na Universidade de Harvard

Arquivo pessoal

Em fevereiro de 2020, Eduardo passou em uma sele√ß√£o para representar as escolas militares em uma simula√ß√£o das Organiza√ß√Ķes Na√ß√Ķes Unidas (ONU) em Harvard. Ele conta que, dessa experiência, nasceu a vontade de regressar para aquele lugar, como estudante.

"Eu contei para minha m√£e que queria estudar l√°. Lembro que ela pegou o celular e pesquisou 'mensalidade Harvard'. Na hora, ela olhou e disse que n√£o teria condi√ß√Ķes de pagar. Foi aí que eu comecei a buscar por projeto de ajuda".

Para tornar o sonho possível, Eduardo passou na sele√ß√£o de duas funda√ß√Ķes que d√£o auxílio financeiro para quem pretende se candidatar a uma universidade no exterior. "Esses programas pagaram os meus custos durante o processo."

Processo seletivo

O estudante Eduardo Vasconcelos Goyanna Filho e a m√£e, após aprova√ß√£o em Harvard

Arquivo pessoal

O brasiliense explica que o processo seletivo para ingressar em Harvard tem v√°rias etapas. S√£o avaliadas desde as notas na escola até os títulos, prêmios e atividades extracurriculares do candidato. "Outra parte bem importante s√£o as reda√ß√Ķes, porque é nessa etapa que você conta sua história de vida", ressalta

Ele também precisou enviar cartas de recomenda√ß√Ķes de professores e fez entrevistas com ex-alunos de Harvard, entre eles o brasiliense Pedro Farias. Eduardo passou por provas de proficiência em inglês e pelos SATs, vers√£o americana do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem), onde respondeu quest√Ķes sobre inglês, matem√°tica, história dos EUA, química e espanhol.

Segundo ele, apenas para as provas, foram sete meses de estudo intensivo. "Nesse último ano, eu tive que abdicar até mesmo de atividades física e de momentos em família. Na maioria dos dias, eu acordava às 9h e ficava até meia noite estudando", relembra.

Aos 19 anos, advogado de Brasília se torna o mais jovem do mundo a entrar em mestrado em direito em Harvard

Aos 23 anos, graduanda da UnB é aprovada no doutorado de Harvard

Estudantes de Brasília v√£o a Harvard e MIT apresentar programa que monitora juízes

Aprovação

Após o processo seletivo, em 18 de dezembro, Eduardo recebeu a carta de aprova√ß√£o. "No dia, meus pais choravam muito, acho que eles estavam com medo de eu passar e n√£o conseguirem pagar", conta.

Junto com a aprova√ß√£o, no entanto, veio a informa√ß√£o que o jovem receberia um auxílio financeiro. "Na bolsa, entra passagem para os EUA, um dinheiro para comprar casaco, porque l√° é muito frio, e uma quantia para itens essenciais", afirma.

Para cursar o primeiro ano da gradua√ß√£o, o estudante precisa estar nos Estados Unidos no mês de agosto. Porém, antes de tudo isso, Eduardo tem que conseguir o visto como estudante. Ele j√° tentou v√°rias vezes agendar a entrevista na embaixada, mas que até agora n√£o obteve sucesso.

"Ao passo em que estou muito animado e empolgado para ir, fico com receio de n√£o conseguir”, conta.

Planos

Enquanto tenta resolver as quest√Ķes burocr√°ticas, o jovem se prepara para morar sozinho. "Eu estou fazendo uma lista do que preciso aprender para viver bem, entre elas, est√° passar camisa social e cozinhar arroz e feij√£o. S√£o v√°rias coisas domésticas que eu quero saber para n√£o passar muito sufoco", brinca.

Segundo Eduardo, o objetivo é ir para Harvard ter a melhor forma√ß√£o possível, e depois voltar para o Brasil, com projetos que possam reduzir a criminalidade infantil. "Quero trabalhar para que nenhum jovem fique atr√°s das grades, e sim, mergulhado nos estudos", diz.

*Sob supervis√£o de Maria Helena Martinho.

VÍDEOS: Educa√ß√£o

Leia mais notícias sobre a regi√£o no G1 DF.

Fonte: G1

Comunicar erro

Coment√°rios