Tv

'Palácio de Putin': vídeo do opositor preso Alexei Navalny mostra suposta mansão de R$ 7,2 bilhões do presidente russo

Por Marcos Antonio em 21/01/2021 às 15:37:36
Segundo ele, propriedade de 70 km² foi paga com "maior suborno da história". Segundo Navalny, propriedade de 70 km² foi paga com "maior suborno da história"

Reprodução/Youtube/Alexei Navalny

Uma reportagem investigativa em vídeo feita pela principal figura de oposição da Rússia, que afirma que o presidente Vladimir Putin gastou fundos ilícitos em um palácio extravagante no Mar Negro, foi assistida por mais de 41 milhões de pessoas poucos dias depois de ser divulgada.

O material foi publicado pela equipe de Alexei Navalny depois que ele foi preso em seu retorno à capital russa, Moscou.

Navalny alega que a propriedade custou US$ 1,37 bilhão (R$ 7,2 bilhões) e foi paga "com o maior suborno da história".

O Kremlin nega que a propriedade pertença ao presidente. As acusações de que funcionários federais estavam guardando um vasto complexo de palácios na costa do Mar Negro são "pura tolice", disse Dmitry Peskov, porta-voz da presidência russa.

Navalny descreve a propriedade como tendo 39 vezes o tamanho do principado de Mônaco.

A reportagem investigativa foi divulgada na terça-feira (19), dois dias depois de Navalny voltar da Alemanha e ser preso no aeroporto de Moscou.

Ele foi colocado em prisão preventiva por 30 dias na segunda-feira, sob a acusação de violar os termos da liberdade condicional, por uma pena suspensa (sursis) por peculato que ele diz ter sido resultado de motivações políticas. Um julgamento de um caso separado contra ele deveria começar na quarta-feira, mas foi adiado.

O opositor de 44 anos quase morreu em um ataque por agente nervoso em agosto de 2020, que ele atribuiu pessoalmente a Putin.

O Kremlin nega qualquer envolvimento. As acusações de Navalny sobre o envolvimento do serviço de segurança russo foram, no entanto, corroboradas por reportagens de jornalistas investigativos.

Vídeo já foi visto mais de 40 milhões de vezes

Reprodução/Youtube/Alexei Navalny

O que diz a reportagem?

A reportagem investigativa afirma que a propriedade na cidade turística de Gelendzhik foi construída com fundos ilícitos fornecidos por membros do círculo íntimo de Putin, incluindo oligarcas do petróleo e bilionários.

"(Eles) construíram um palácio para seu chefe com esse dinheiro", diz Navalny no vídeo.

Ele alega que o Serviço de Segurança Federal da Rússia (FSB) possui cerca de 70 km² de terreno ao redor da residência privada.

A reportagem investigativa descreve vários detalhes da propriedade e afirma que ali haveria um cassino, um complexo de hóquei no gelo subterrâneo e um vinhedo.

"Tem cercas inexpugnáveis, seu próprio porto, sua própria segurança, uma igreja, seu próprio sistema de segurança, uma zona de exclusão aérea e até mesmo seu próprio posto de controle de fronteira", diz Navalny no vídeo.

"É um Estado separado dentro da Rússia", acrescenta. "E nesse Estado existe um único czar insubstituível: Putin."

Quem é Alexei Navalny?

Navalny é um ativista anticorrupção e o rosto mais proeminente da oposição russa ao presidente Vladimir Putin

Ele tentou se candidatar à disputa presidencial de 2018, mas foi barrado por causa de uma condenação por peculato, que, segundo ele, teve motivação política

Um blogueiro sem papas na língua, ele tem milhões de seguidores russos nas redes sociais e conseguiu que alguns de seus apoiadores fossem eleitos para conselhos locais na Sibéria em 2020

Peskov, porta-voz de Putin, disse à agência de notícias estatal RIA Novosti na terça-feira (19) que as afirmações feitas no vídeo eram "falsas" e que o presidente "não possui palácios".

Ele foi mais longe na quarta-feira (20), insistindo que o presidente declara todos os seus bens anualmente. "Todas essas afirmações são absolutamente infundadas", disse ele. "Isso é puro absurdo e... não há nada mais nisso."

A reportagem foi divulgada na terça-feira (19) e, em pouco mais de 24 horas, já havia sido vista mais de 20 milhões de vezes.

E termina com um apelo para que as pessoas tomem as ruas.

"Se 10% dos insatisfeitos forem às ruas, o governo não se atreverá a falsificar as eleições", diz Navalny.

Futuro

Em 2 de fevereiro, um tribunal vai julgar se uma pena suspensa (sursis) de três anos e meio que Navalny recebeu em 2014 por acusações de fraude deve ser convertida em prisão.

Três dias depois, ele enfrentará outra audiência na Justiça, sob a acusação de difamar um veterano da 2ª Guerra Mundial.

Navalny está detido na prisão Matrosskaya Tishina, em Moscou, depois que um juiz ordenou sua detenção até 15 de fevereiro por violar os termos de sua pena suspensa (sursis) por fraude. Em vez de se apresentar regularmente ao serviço penitenciário, ele estava se recuperando do ataque de um agente nervoso na Alemanha.

Um tribunal improvisado foi organizado na segunda-feira (18) em uma delegacia de polícia em Khimki, nos arredores de Moscou, onde Navalny passou a noite.

Ele viajou da Alemanha — onde vinha recebendo tratamento médico desde agosto — para a Rússia, apesar dos avisos de que seria preso na chegada.

Navalny disse que o tratamento que recebe pela Justiça em seu país vai além de uma "zombaria da justiça" e descreveu a audiência de segunda-feira como "ilegalidade do mais alto grau".

Seus advogados disseram que planejam apelar da decisão "ilegal" do tribunal, de acordo com a agência de notícias russa Interfax.

Também há dúvidas sobre se sua detenção viola uma decisão de 2018 do principal tribunal de direitos humanos da Europa, que considerou as acusações de fraude contra Navalny "arbitrárias".

Vídeos: Os mais assistidos do G1 nos últimos 7 dias

Fonte: G1

Comunicar erro

Comentários