22/10/2021 às 11h57min - Atualizada em 24/10/2021 às 00h01min

Menos tela, mais saúde

Pediatra Dra. Patrícia Terrível fala do excesso de tela para bebês, crianças e adolescentes durante a pandemia

SALA DA NOTÍCIA Eduardo Domingos
Imagem: Pexels
A pandemia de Covid-19 impactou a vida de todos, provocando um aumento do uso de dispositivos como celulares, computadores e tablets. Além de já fazer parte das atividades de lazer, os equipamentos eletrônicos passaram a estar ainda mais presentes na rotina de trabalho e no contexto escolar.

De acordo com a pesquisa Primeiríssima Infância - Interações na Pandemia: Comportamento de pais e cuidadores de crianças de 0 a 3 anos em tempo de Covid -19, durante este período, a exposição de telas que já era alta entre as crianças, cresceu.

O levantamento mostrou que o uso de eletrônicos ficava em 15% em todas as classes sociais, porém, durante os meses de isolamento, esse número saltou para 59% entre crianças de 0 a 3 anos de idade. Isso se deve principalmente ao fato que muitos pais encontraram nas telas uma forma de entreter os filhos, que passaram a ficar mais tempo em casa.

A Dra. Patrícia Terrível, pediatria humanizada, alerta sobre os impactos negativos do uso exacerbado desses dispositivos. “Uma criança que tem exposição precoce e exagerada às telas, na maioria das vezes, pode ter atraso da fala, do desenvolvimento cognitivo e do desenvolvimento muscular. Problemas de visão também são recorrentes, como miopia, hipermetropia e astigmatismo. Já nos adolescentes pode resultar em sedentarismo  e cyberbullying."

A pediatra ainda ressalta que a Sociedade Brasileira de Pediatria (SBP) recomenda que crianças com menos de 2 anos não sejam expostas a nenhuma tela, mesmo que passivamente.
Para crianças de 2 a 5 anos de idade, o ideal é limitar o tempo de tela a 1 hora por dia. Para crianças de 6 a 10, no máximo duas horas por dia e com a supervisão de um adulto. Para os adolescentes o limite é de três horas.

O incentivo voltado à realização de atividades alternativas deve ser constante para reduzir o uso desses dispositivos pelas crianças. “Para os mais novos, é recomendado fornecer brinquedos interativos e educativos. Para os mais velhos, é necessário estimular a prática de atividades físicas e brincadeiras ao ar livre”, ressalta a Dra. Patrícia Terrível.

Sobre a profissional:
A Dra. Patrícia Terrível, conhecida como Patty Terrível, é médica pediatra, neurologista e membro do departamento de aleitamento materno da Sociedade de Pediatria de São Paulo. Atualmente está em andamento o MBA em Gestão Hospitalar pela FGV. Além do atendimento presencial, é uma das idealizadoras do curso online “Papa sem Neura” em parceria com nutricionistas. Pró amamentação e idealizadora do projeto Corrente de Amor pelo SUS.

Informações para Imprensa:

Eduardo | (11) 94725 0137 | [email protected]
Luciana (11) 94710 1288 | [email protected]
 
Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »
Informações indisponíveis

0