Mercado BR

Comitê nos EUA recomenda aprovação de uso emergencial da vacina da Janssen contra a Covid

Por Marcos Antonio em 26/02/2021 às 19:54:24

Estudo mostrou que a vacina teve 66% de eficácia contra a doença. Imunizante usa a tecnologia de vetor viral e é a única em etapa avançada de testes com apenas uma dose e que pode ser mantido numa geladeira comum por até três meses. Que vacina é essa? Janssen (Johnson&Johnson)

O comitê consultivo da agência reguladora de medicamentos norte-americana (FDA, da sigla em inglês) recomendou nesta sexta-feira (26) a aprovação do uso emergencial da vacina contra a Covid-19 desenvolvida pela farmacêutica Janssen, do grupo Johnson&Johnson.

Johnson diz que pode vender vacina contra a Covid-19 ao Brasil em 'quantidade' e 'condições' que dependem de acordo com Ministério da Saúde

Pacheco se reúne com laboratórios para tentar viabilizar vacina da Pfizer e da Johnson

O relatório produzido pela comissão de especialistas (formada por pesquisadores independentes, médicos e representantes farmacêuticos) será agora avaliado pela FDA, que deve conceder - como já fez nos casos anteriores - a autorização para a aplicação do imunizante.

A vacina usa a tecnologia de vetor viral e é a única em etapa avançada de testes com apenas uma dose e que pode ser mantido numa geladeira comum por até três meses.

No dia 19, a farmacêutica anunciou que a vacina teve 66% de eficácia em prevenir casos moderados e graves. A vacina também foi capaz de impedir 100% das mortes e hospitalizações.

Considerados apenas os casos graves, o nível de proteção foi de 85%. Nenhuma pessoa vacinada morreu de Covid. A eficácia da vacina para pacientes com casos leves da doença não foi divulgada, e os resultados ainda não foram publicados em revista científica.

Mais de 44 mil pessoas nos EUA, América Latina e África do Sul participaram dos testes. Entre os latinos, os testes foram realizados no Brasil, Argentina, no Chile, na Colômbia, no México e no Peru. Segundo a Anvisa, 7.560 brasileiros são voluntários nos testes da empresa.

No Brasil, a Johnson ainda não entrou com o pedido de uso emergencial ou pedido de registro à Anvisa.

Eficaz contra as variantes

Vacina contra Covid da Johnson & Johnson tem eficácia de até 85% pra prevenção de casos graves e só precisa de uma dose

Na quarta-feira (24), a Agência de Alimentos e Medicamentos (FDA) dos Estados Unidos publicou um documento afirmando que a vacina produzida pela Johnson&Johnson, administrada em dose única, oferece alta proteção contra os casos graves e mortes por Covid-19, inclusive contra a variante sul-africana, além de reduzir a transmissão do vírus nos vacinados.

Segunda a FDA, a vacina teve eficácia geral nos Estados Unidos de 72% e de 64% contra a variante sul-africana. A eficácia na África do Sul foi sete pontos superior aos dados anteriores divulgados pela Johnson (veja abaixo).

Em relação às formas graves da doenças, a vacina mostrou 86% de eficácia nos Estados Unidos e 82% contra as formas severas da variante na África do Sul.

Apesar da vacina de Johnson ter uma taxa de eficácia geral mais baixa do que as da Moderna e Pfizer/BioNTech, administradas em duas doses e com eficácia em torno de 95%, na África do Sul a vacina é a que se apresentou mais eficaz.

Mundo pesquisa 236 vacinas e já testa 16 em humanos, mas poucas têm chance de chegar ao Brasil, avaliam especialistas

Agência recomenda uso da vacina de Oxford na União Europeia

Veja VÍDEOS com novidades sobre as vacinas da Covid-19:

Fonte: G1

Comunicar erro

Coment√°rios