29/11/2021 às 13h04min - Atualizada em 29/11/2021 às 13h04min

Guararapes vai investir mais R$ 1,2 bilhão em Caçador

Aporte se soma aos R$ 800 milhões já previstos visando quase dobrar a capacidade instalada de painéis de MDF até o fim d

Marcos Imprensa - Marcos Imprensa
A empresa Guararapes vai investir, até 2023, R$ 1,2 bilhão em ativos florestais em busca de aumentar a auto-suficiência em madeira da sua produção de painéis. Os aportes serão destinados também à aquisição de empresas, como de painéis de decoração, que contribuam para sua aproximação com clientes finais, e à compra de alguma fabricante de “madeira engenheirada”, ou seja, de estruturas de madeira para edificações.


Para parte do R$ 1,2 bilhão, a empresa captou R$ 475 milhões, em créditos verdes, pela modalidade Nota de Crédito à Exportação (NCE), com Itaú BBA - R$ 250 milhões -, Bradesco - R$ 100 milhões - e Citi - R$ 125 milhões. Oferecendo como contrapartidas manutenção das certificações das fábricas referentes a toda a cadeia e o compromisso de compra de ativos florestais certificados, a Guararapes pode captar os recursos a taxas mais competitivas do que as de empréstimos tradicionais. Com o Itaú BBA, foi fechado empréstimo a CDI mais 1,9%, com o Bradesco, a CDI mais 1,7%, e com o Citi, a CDI mais 1,70%.

O restante para completar o aporte de R$ 1,2 bilhão será financiado com a geração de caixa da Guararapes e com a captação de outras dívidas, de acordo com o diretor de relações com investidores, Fabio Torres.
O valor de R$ 1,2 bilhão se soma aos R$ 800 milhões já previstos pela Guararapes para quase dobrar sua capacidade instalada de painéis de MDF até o fim do próximo ano. A nova linha será instalada no mesmo terreno em que se concentra a produção, em Caçador (SC). Poderá haver captações futuras de dívidas ou até mesmo oferta pública de ações (IPO) da empresa se as condições de mercado permitirem, segundo o executivo.

Por enquanto, a parte dos recursos destinada aos investimentos em infraestrutura para assegurar a expansão da capacidade tem origem na geração de caixa. Já a parcela direcionada para a importação de equipamentos da Alemanha, Suíça, Suécia e Bélgica é financiada por um banco alemão de fomento.


Mesmo com a piora das condições macroeconômicas, a Guararapes está mantendo seu cronograma de ampliação da produção de MDF. “A cadeia continua desabastecida no mercado interno. Não está sobrando MDF”, diz o diretor de relações com investidores. Para atender à demanda doméstica de seus clientes, a empresa reduziu, neste ano, a fatia exportada de 20% para 13%.
“Operamos muito perto do nosso limite desde 2018. Este é um produto maduro e independente das condições atuais de mercado”, diz o executivo. Sem informar valores, Torres informa que, até a metade deste ano, o faturamento da Guararapes superou o do acumulado de 2020, que havia sido recorde.
A produção expandida será destinada aos mercados interno e externo. Haverá fabricação de itens destinados, prioritariamente, a exportações, além de produtos com especificações que ainda não fazem parte do portfólio da Guararapes.
Com informações: Valor/G1
Link
Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »
Informações indisponíveis

0