02/01/2022 às 16h38min - Atualizada em 03/01/2022 às 00h10min

Nova técnica do hemocentro de MG reduz transmissão de doenças

Método é importante para pacientes em tratamento quimioterápico ou que passaram por transplante de medula óssea, diz presidente da Hemominas.

Folha
https://agenciabrasil.ebc.com.br/saude/noticia/2022-01/nova-tecnica-do-hemocentro-de-mg-reduz-transmissao-de-doencas

Uma nova Técnica de Inativação de Patógenos (TRP) implantada pelo hemocentro de Minas Gerais traz mais segurança à transfusão de sangue no estado. O método, o primeiro no sistema público, inibe agentes infecciosos, bactérias, entre outros germes, antes do procedimento. De acordo com a Fundação Hemominas, a técnica é uma resposta a ameaças infecciosas, tendo em vista que pode conter até mesmo microorganismos que tenham surgido recentemente ou desconhecidos e para os quais não há testes laboratoriais na triagem do sangue doado.



A presidente da Hemominas, Júnia Cioffi, aponta que a fundação já analisava a importância do método que é aplicado em diversos países. “Quando começou a pandemia de covid, quando ainda não se sabia que esse vírus não era transmissível pelo sangue, a gente colocou a importância de ter uma metodologia como essa para prevenir ainda mais essas doenças infecciosas”, explica. Ela lembra que a TRP protege as plaquetas de vírus, como “dengue, chikungunya, Zika, gripe H1N1 e qualquer outro”.



O método foi aprovado para uso em toda a Europa, em 2002; nos Estados Unidos, em 2014, e no Canadá, em 2018. Ele é importante, sobretudo, para pacientes imunossuprimidos, como pessoas em tratamento quimioterápico ou que passaram por transplante de medula óssea, pois ele evita a transmissão de bactérias que podem ser fatal para esse público. De acordo com a Fundação Hemominas, a reação mais comum à transfusão de plaquetas é justamente a transmissão de bactérias.



De acordo com a Hemominas, além de melhorar a qualidade do processo de transfusão de hemocomponentes, a inativação de patógenos também impacta o aproveitamento dos estoques de plaquetas, pois aumenta de cinco para sete dias a vida útil desse produto. O custo total de implantação do método foi de cerca de R$ 5 milhões.



“Ele tem um custo alto de implantação, mas depois fica muito próximo dos procedimentos que a gente já faz de manutenção. A gente faz a mudança de metodologia, têm alguns testes que não vão ser mais necessários de serem feitos por causa da contaminação bacteriana”, explica a presidente da Hemominas.



A tecnologia implantada altera os ácidos nucleicos dos microorganismos que podem estar presentes nos componentes do sangue. Esse procedimento faz com que os agentes infecciosos deixem de se replicar e deixa o hemocomponente mais seguro.



A Hemominas aponta que o método tradicional de testagem pode escapar pela janela imunológica, que é o período de contaminação de um indivíduo e o aparecimento do positivo no teste diagnóstico, seja sorológico ou molecular. “A gente tem que continuar seguindo a legislação brasileira, mas o que nos propicia é aqueles doadores que são assintomáticos, e que poderiam transmitir, [são cobertos pela técnica], explica a presidente da fundação.



A inativação de patógenos já está sendo realizada desde 1º de dezembro. “Nós vamos começar com a região metropolitana e o Hemocentro de Belo Horizonte, que já recebe hemocomponentes de várias cidades onde nós temos unidades e equivale a aproximadamente 50% do que a gente produz”, apontou Júnia.



Ela acrescenta que há um projeto para ampliar esse processo para outras unidades, mas que, atualmente, é possível atender demandas específicas no estado. “Para os pacientes que têm necessidade maior, como esses transplantados e que fazem tratamento com quimioterapia, mesmo em cidades onde ainda não está sendo feito esse processo, os hospitais podem receber o hemocomponente já inativado porque a gente tem uma logística de estoque de transporte de hemocomponente em todo estado.”



Doação



Júnia Cioffi segue alertando para a necessidade de recomposição dos estoques de sangue nos hemocentros de todo o país. “A pandemia trouxe uma dificuldade para todos os hemocentros na manutenção dos estoques. Isso aconteceu por causa dos protocolos de distanciamento e necessidade de maior cuidado na hora de atender os doadores. No momento, nosso estoque [em Minas Gerais], não está muito ruim, mas nós continuamos precisando de doadores dos grupos A positivo, O positivo e todos os negativos”, destacou.



A presidente lembra que neste período de Ano-Novo o reforço dos estoques é ainda mais importante.



“Infelizmente, a gente sempre vê mais acidentes nessa época, então a gente acaba usando mais bolsas de sangue. Eu aproveito para convidar as pessoas a doarem em qualquer hemocentro do país, porque todos os estados precisam de doação.”




Fonte: https://agenciabrasil.ebc.com.br/saude/noticia/2022-01/nova-tecnica-do-hemocentro-de-mg-reduz-transmissao-de-doencas
Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »
Informações indisponíveis

0