14/01/2022 às 17h01min - Atualizada em 15/01/2022 às 00h00min

Inteligência Emocional Ajuda a Melhorar os Relacionamentos, no Trabalho, com o Parceiro e com os Filhos.

A Inteligência emocional é algo que pode ser desenvolvida. Crianças que são estimuladas desde cedo, tendem a ser adultos menos agressivos, mais flexíveis e sociáveis.

SALA DA NOTÍCIA Gabi Dallo RTA Comunicação
Shana Eleve Consulting
Galeria do google e arquivos pessoais

   Você já disse coisas que machucou, mesmo que não tivesse a intenção, e saiu magoado da conversa? Ou ao contrário, sem querer, você falou de uma forma que machucou as pessoas?

  Se você respondeu que sim, tudo bem. Que bom! Isto faz de você um ser humano. Somos imperfeitos e gerenciar emoções, expectativas das pessoas e as nossas não é algo simples.

   A boa notícia é de que o mais importante vem depois desta conversa. A psicóloga, Shana Eleve, CEO e Fundadora da Eleve Consulting - Empresa que desenvolve pessoas e times em comunicação, produtividade, liderança, inteligência emocional e team building - explica: “Isso pode separar quem tem, de fato, a famosa inteligência emocional, pois exige humildade, percepção, autoconhecimento para entender o que aconteceu naquele diálogo e como irá contornar para resolver o conflito e não perder o relacionamento, seja de trabalho, amoroso, amigos ou mesmo filhos."
 

  Inteligência emocional, segundo a psicologia, é a capacidade de identificar e lidar com as emoções e sentimentos pessoais e de outros indivíduos. É uma habilidade que permite que as pessoas gerenciem melhor seus sentimentos e a forma que agirão com base neles, e é algo que pode ser desenvolvido. “A inteligência emocional não só pode como deve ser desenvolvida. E é aplicada em tudo na vida.” Explica a psicóloga Shana Eleve - CEO e Fundadora da Eleve Consulting - “Quando nos desentendemos com alguém, o caminho mais natural e quase instantâneo é querer, em primeiro lugar, nos afastarmos rápido daquela pessoa. Só que nem sempre é a melhor estratégia, ou nem sempre podemos, pois pode ser um colega de trabalho, um irmão ou até a sua esposa. Por isso, não é sobre nunca ter conflitos ou sobre ser impecável em todas as conversas. É sobre reconhecer as suas emoções, as suas ações, ter traquejo para conversar e dar limites, quando necessário.” complementa Shana Eleve.
 

   Em relação à educação, todo pai e mãe cuidadoso costuma colocar o filho em variadas atividades extracurriculares, de idiomas a aritmética mental, mas são raros os que dão atenção para o desenvolvimento do mundo emocional de seus filhos. A maioria acredita que estes processos se desenvolvem automaticamente na mente da criança sem nenhuma ajuda externa.

 “Todos querem, na verdade, que seus filhos sejam capazes de enfrentar os problemas e que saiam bem na vida, ou seja, que tenham resiliência e inteligência emocional. E essa competência pode começar a ser desenvolvida em casa. Inclusive crianças que desenvolvem essa competência desde cedo, tendem a ser adultos menos agressivos, mais flexíveis, sociáveis e conseguem encontrar mais soluções para os desafios que a vida coloca.” ressalta a psicóloga, Shana. “Mas, como fazer na prática? Para educar um filho emocionalmente inteligente, é preciso reconhecer, sem ignorar ou repreender as emoções. Os pais precisam ajudar seus filhos a identificar suas próprias emoções e impor limites, quando necessário.” complementa Shana, que é especialista em desenvolver líderes e times para aumentar o resultado das empresas e das pessoas, mas ensina também a usar essas técnicas no dia a dia. 

   Shana explica que não existe fórmula única e receita de bolo, por isso observar, perceber o seu filho ou filha, é o primeiro passo, que inclusive é uma das premissas da inteligência emocional. Na sequência, tratando-se de educação, agir com empatia assertiva é o indicado.
 

A EMPATIA ASSERTIVA

   Empatia é a capacidade intencional de se colocar no lugar de uma outra pessoa para entender como ela enxerga, pensa ou age a partir do ponto de vista dela, não do seu. Considerando a definição, já é possível perceber que nem sempre a nossa empatia funciona. Assim sendo, nem sempre conseguimos ser empáticos efetivamente pois não somos assertivos ao empatizar com alguém. "A empatia assertiva implica em dois movimentos: nos importar genuinamente com as pessoas e o segundo trata-se de dar limites, entrar em conflito, ou seja, ser humano e assertivo.” esclarece Shana. 

   Para a psicóloga Eleve - CEO e Fundadora da Eleve Consulting -  o grande desafio é como os pais podem controlar as emoções nestas conversas, sendo exemplos, em meio ao dia a dia corrido e, sobretudo, quando estão estressados. “Uma equação difícil, mas com autoconhecimento, diálogo e humildade de que nem sempre sabemos tudo, é possível alcançar bons resultados.” finaliza Shana.
 

 


Mais Sobre Shana Eleve:
  Shana Wajntraub, mais conhecida como Shana Eleve, é psicóloga com MBA em Gestão de Pessoas pela Universidade Federal Fluminense, pós- graduada em neurociências pelo Mackenzie. Mestranda em comunicação e análise de comportamento pela Manchester Metropolitan University- UK (Paul Ekman). Tedx speaker, speaker coach e curadora dos palestrantes do TEDx Campo Grande, professora da HSM, palestrante da HSM expo em 2021. também palestrou no CBTD em 2020 e 2021 e já impactou mais de 230 mil pessoas em treinamentos na América Latina para Nestlé, Galderma, Sanofi, GPA, Hypera, Locaweb, Seara, AstraZeneca, Dasa, Boehringer, Met Life, Grupo Boticário, Vivo, Amil, Magazine Luiza, Camil.


Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »
Informações indisponíveis

0