MENU

06/06/2019 às 10h59min - Atualizada em 06/06/2019 às 11h03min

O Brasil precisa da telemedicina, afirma IESS

Superintendente executivo do Instituto de Estudos de Saúde Suplementar (IESS), José Cechin, apresentou estudo inédito sobre a experiência internacional com o uso de telemedicina e destacou como o País poderia se beneficiar da legislação para teleconsultas

DINO
http://www.iess.org.br/

A telemedicina é um recurso importantíssimo para ofertar atendimento assistencial aos brasileiros, especialmente considerando as proporções continentais do País e as diferenças estruturais entre suas diversas regiões. A opinião de José Cechin, superintendente executivo do Instituto de Estudos de Saúde Suplementar (IESS), tem como base o levantamento inédito "A Telemedicina traz benefícios ao sistema de saúde? Evidências internacionais das experiências e impactos", do IESS, sobre a experiência internacional com o uso do recurso em sete países além do Brasil: Albânia, Austrália, Bangladesh, China, Estados Unidos, México e Noruega. O estudo foi apresentado ontem (05/06), durante o Seminário Internacional de Saúde da População, organizado pelo Centro de Estudos em Planejamento e Gestão de Saúde da Fundação Getulio Vargas (FGV).

De acordo com o estudo, as experiências internacionais mostram que o uso da telemedicina pode trazer benefícios como a redução de tempo de atendimento, dos custos de deslocamento de pacientes e profissionais de saúde e mesmo a melhora na qualidade assistencial ao possibilitar o acesso a especialistas por profissionais de saúde (não especializados) em áreas remotas que não contam com centros de referência em certas especialidades. Para possibilitar o uso de todo o potencial das novas tecnologias em favor da telemedicina e da qualidade de vida dos pacientes no Brasil, entretanto, é preciso regular seu uso entre profissionais de saúde e pacientes, já que a legislação atual prevê apenas seu emprego para teleconsultoria, programas que relacionam médicos com outros médicos ou médicos com outros profissionais de saúde.

Não obstante, há relatos internacionais de uso de teleconsultoria com ótimos resultados. Na China, por exemplo, um projeto conectou 249 hospitais na região rural de Sichuan, que conta com uma população de 81,1 milhões de pessoas, a 112 centros altamente especializados localizados na capital. Entre 2003 e 2012, foram realizadas quase 12 mil teleconsultas dedicadas principalmente ao diagnóstico de neoplasias, lesões e doenças cardiovasculares. Como resultado, 39,8% dos diagnósticos originais realizados nos hospitais rurais foram modificados após a consultoria com os hospitais especializados e 55% dos tratamentos originais foram alterados. O que resulta em melhoria direta da qualidade assistencial. Do ponto de vista econômico, o projeto gerou uma economia líquida de cerca de US$ 2,3 milhões para pacientes (que não precisaram se deslocar para outros locais para serem atendidos) e de US$ 3,7 milhões para especialistas (que não precisaram se deslocar entre cidades para completar o diagnóstico ou validar o tratamento).

Já os benefícios de teleconsultas (relação direta entre médico e paciente) podem ser observados em um projeto conduzido nos Estados Unidos entre julho de 2012 e julho de 2014 que possibilitou que 296 pacientes veteranos de guerra que moram em zona rural da Flórida realizassem 755 consultas com especialistas em oncologia de grandes centros urbanos. Os pacientes tiveram uma redução de 80,7% na distância percorrida ao se consultar em um centro médico local ao invés de se deslocar para a instalação especializada em Miami. O que resultou em uma economia de US$ 155,6 mil (US$ 88, 4 mil em deslocamento e US$ 67,2 mil em hospedagem). Além disso, uma pesquisa de satisfação com os pacientes revelou que eles concordaram quase unanimemente que puderam receber todos os benefícios de uma consulta presencial por meio da telemedicina, incluindo a revisão de resultados de exames, aconselhamento adequado sobre sua doença e discussão dos riscos e benefícios de diferentes opções de tratamento.

"As novas tecnologias estão aumentando, cada vez mais, as possibilidades para a telemedicina, inclusive para a realização de teleconsultas. Por isso, apesar de entendermos a decisão do Conselho Federal de Medicina (CFM) de suspender a resolução 2.227/2018 em função do volume de mudanças sugeridas, acreditamos que é fundamental retomar agenda de regulação dessa possibilidade de atendimento. Ainda que em um primeiro momento alguns profissionais se incomodem com a nova realidade", argumenta Cechin. "Se considerarmos o potencial deste recurso para levar atendimento assistencial de qualidade para brasileiros em regiões afastadas, como áreas rurais e a Amazônia, por exemplo, a iniciativa se torna ainda mais importante não apenas para a Saúde Suplementar, mas também para o Sistema Único de Saúde (SUS). O Brasil precisa da telemedicina", completa.



Website: http://www.iess.org.br/
Link
Notícias Relacionadas »
Fale pelo Whatsapp
Atendimento
Precisa de ajuda? fale conosco pelo Whatsapp