Tv

Assalto em Criciúma: Polícia confirma 14 presos suspeitos de participar do roubo

Por Marcos Antonio em 09/12/2020 às 18:06:30
Identidades não foram divulgadas para não atrapalhar investigações. Delegado afirma que não há elementos para dizer que assalto foi planejado por organização criminosa. Delegado Anselmo Cruz fala durante coletiva de imprensa nesta quarta-feira (9) sobre o assalto em Criciúma

Reprodução/Governo de Santa Catarina

A Polícia Civil atualizou para 14 o número de presos suspeitos de participação no assalto a banco em Criciúma, no Sul do estado. Porém, não foram divulgadas identidades ou circunstâncias das prisões, para não atrapalhar a investigação. As informações foram dadas em coletiva na tarde desta quarta-feira (9).

O delegado Anselmo Cruz, titular da Delegacia de Roubos e Antissequestro da Diretoria Estadual de Investigações Criminais de Santa Catarina, afirmou que não há vínculo identificado no assalto de que o roubo tenha sido planejado por uma organização criminosa.

“O que se entende é que não se trata de um crime da facção. Não se trata de um crime comandado, organizado ou planejado por essa facção criminosa [de São Paulo], ou por qualquer outra, e sim ações que acabam tendo uma parceria, até pela questão de mão de obra envolvida, digamos assim. Por uma questão de serem indivíduos, como já até divulgado, na sua maioria provenientes do estado de São Paulo, onde a gente sabe que tem uma questão territorial bastante forte”, afirmou o delegado.

Além disso, Cruz também falou que foram cumpridos mandados de busca e apreensão durante a semana, um deles no Ceará nesta quarta, a partir de informações de uma pessoa que foi presa. E que a polícia suspeita que os criminosos tenham alugado um apartamento próximo ao banco para monitorar a rotina do local.

“É possível e provável que houvesse algum apartamento ocupado nas imediações da agência bancária e que os criminosos tivessem usado esse local durante meses para monitorar exatamente a movimentação", disse o delegado.

Ele pediu que a população ajude através de denúncia anônima à Polícia Civil, pelo telefone 181. “Especialmente a movimentação de pessoas estranhas em determinado apartamento, por exemplo, seja homem, seja um casal, seja uma mulher, e que, misteriosamente, tenham desaparecido desde a última segunda-feira [30] da semana passada”, orientou o delegado.

O assalto

Quadrilha assalta Banco do Brasil no Centro de Criciúma (SC)

Conforme a Polícia Civil, cerca de 30 homens encapuzados atuaram no assalto ao cofre da tesouraria regional do Banco do Brasil, que fica anexa a uma agência bancária, no Centro de Criciúma. A ação teve início por volta das 23h50 de 30 de novembro e durou cerca de duas horas.

O ataque resultou em incêndios, ruas bloqueadas, dinheiro espalhado pelas ruas e reféns como escudos. Um policial militar que entrou em confronto com a quadrilha foi atingido por um tiro e segue internado.

Na lista do que as forças de segurança investigam, a PF apura um possível crime de lavagem do dinheiro roubado. A suspeita é de que a quadrilha tenha conexão com uma facção criminosa que já fez outros assaltos a bancos. Um dos presos é suspeito de planejar a fuga do chefe dessa facção.

Presos

Há informações sobre 12 dos 14 presos confirmados pela Polícia Civil catarinense:

1 homem preso em Blumenau, no Vale do Itajaí, na noite de sexta-feira (4).

2 pessoas (um casal) encontradas em Campinas (SP), na quinta-feira (3).

2 homens encontrados em Gramado, na Serra do RS, na manhã de quinta (3).

1 homem encontrado em uma casa na cidade de Três Cachoeiras (RS), na madrugada de quinta (3).

2 homens encontrados em um viaduto da BR-116 em São Leopoldo (RS), na tarde de quarta (2).

3 homens encontrados entre a divisa de Torres (RS) e Passo de Torres (SC), na tarde de quarta (2).

1 mulher encontrada em uma casa em São Paulo (SP), na tarde de quarta (2).

Cronologia do assalto a banco em Criciúma

Arte G1

O que se sabe do assalto:

Cerca de 30 pessoas encapuzadas assaltaram uma agência do Banco do Brasil no Centro de Criciúma às 23h50 de segunda-feira (30). A ação durou 1 hora e 45 minutos.

Pessoas foram feitas reféns e cercadas por criminosos; houve bloqueios e barreiras para conter a chegada da polícia.

Um PM ficou ferido. O PM precisou passar por três cirurgias e segue internado.

Criminosos fugiram, e parte do dinheiro ficou espalhada pelas ruas.

Quatro moradores foram detidos após recolherem R$ 810 mil que ficaram jogados no chão devido à explosão durante o assalto.

Criminosos também deixaram 30 quilos de explosivos para trás. Polícia não sabe o total utilizado.

10 carros usados no assalto foram apreendidos em um milharal de uma propriedade privada em Nova Veneza, a noroeste de Criciúma.

A PM acredita, baseada em manchas de sangue encontradas nesses veículos, que pelo menos dois criminosos tenham se ferido.

Em nota, o Banco do Brasil disse que funcionários não foram feridos e que não informa "valores subtraídos durante ataque às suas dependências".

As autoridades de Santa Catarina afirmam que este foi o maior assalto da história do estado.

VÍDEOS: Destaques do G1 SC no BDSC

Veja outras notícias do estado no G1 SC

Fonte: G1 SC

Comunicar erro

Comentários